20 de dez de 2012

Latim para a JMJ Rio 2013





Se você está lendo esta matéria, é porque o mundo não acabou em 2012. Que bom não é, pois temos a oportunidade de escrever uma bela história de nossas vidas neste novo ano que se inicia.
Como escrevi na edição de dezembro, estamos em preparação para a JMJ (Jornada Mundial da Juventude) que acontece em julho deste ano.
O musical “A Missa da minha vida” já esta sendo preparado para ser nossa contribuição cultural para esse evento da Igreja, que vai reunir gente de todo o mundo na cidade do Rio de Janeiro.
Por isso, daqui para as próximas edições desta revista, quero partilhar um pouco dessa preparação e algumas curiosidades que  estão fazendo desse musical mais um marco na história da arte da Toca de Assis.
Uma das novidades mais surpreendentes é a utilização de dois idiomas para os textos e musicas: Português e Latim. O Latim, que é a lingua oficial da Igreja, será muito utilizado neste musical, para transmitir esse sentimento de unidade entre todas as nações. Como o roteiro propõe uma alusão a Santa Missa, a utilização do Latim nos textos e música, transmitirá ao espectador uma riqueza de conteudo singular.
Inusitado? Ousado? Quem imaginou sentar-se numa platéia para assistir um musical falado e cantado em latim? Minha proposta é apresentar uma cultura compreensível, sem a utilização de muitas legendas e explicações. Mais não se preocupe achando que não vai entender, pois este roteiro, totalmente repaginado, com uma grande carga de simbolismos, é facilmente absorvido pelos espectadores, pois remete à vida de cada um.
Para agussar nossa curiosidade, segue abaixo um pequeno trecho do roteiro:
Acaiah – Não desvie teu rosto! Precisa enfrentar essas cicatrizes. Tua vida passa por aqui…teu caminho passa por esse vale. São feios sim, mais são teus. Tu os geraste. Tu os escolheste. Aqui etão tuas escolhas. Trocastes o belo por essas fétidas figuras. Com elas viveste teu prazer e tuas delícias (neste momento, olhando para as figuras, Henoque começa a chorar e cai de joelhos). Agora queres desviar o olhar?  … (Acaiah canta esse refrão)
“Aufer a nobis, quaesumus, Domine, iniquitates nostram: Ut ad sancta sanctorum puris mereámur méntibus intróire.”

Para esse início de ano minha dica é o filme “O príncipe do deserto”. A luta entre tradição e modernidade de um país fragmentado em pequenas tribos, é ricamente demonstrada nesse filme que nos leva a um questionamento: “O que o dinheiro pode comprar tem verdadeiro valor?” O fime “O principe do deserto”,  que na tradução literal seria “Ouro negro”, mostra a luta de um jovem entre dois reinos, entre dois pais, entre duas formas de ver a mesma coisa, para encontrar seus proprios ideais e sua propria identidade. Nesta terra que recebe o nome de “casa de Deus”, o jovem Auda (Tahar Rahim) mostra que a paz vale mais que a guerra. “Será que Deus se alegra por nos ver brigando em seu nome?”

Irmão Tarcísio, FPSS